Notícia Página Anterior
Série de exercícios faciais fortalece músculos e rejuvenesce o rosto Série de exercícios faciais fortalece músculos e rejuvenesce o rosto

Publicado em: 09/01/2018 às 15:21h, visualizado 60 vezes.

Prática de 32 exercícios faciais fortalece os músculos e faz com que o rosto de mulheres na meia-idade ganhe aparência mais jovial. Voluntárias e especialistas notaram os resultados após 20 semanas

atividades físicas são o principal recurso para manter a forma e a saúde do corpo. Para cuidar da pele, a dica de pesquisadores americanos é também praticar exercícios. Mas os faciais. Em um experimento com mulheres na meia-idade, eles descobriram que, após 20 semanas, a prática deixou o rosto das voluntárias com uma aparência mais jovial. Detalhes do experimento foram publicados na revista Jama Dermatology e podem, segundo os autores, resultar na criação de uma técnica antienvelhecimento não invasiva.

De acordo com a equipe, os exercícios faciais têm sido bastante explorados, mas ainda não haviam sido avaliados cientificamente. "Nós lemos sobre exercícios para tratar o envelhecimento facial, ouvimos que alguns pacientes fazem e que notam benefícios. Estávamos curiosos em saber se essas práticas realmente funcionam, e descobrimos que não havia estudos formais para testar a utilidade delas", conta ao Correio Murad Alam, vice-presidente e professor de dermatologia da Universidade de Northwestern, nos Estados Unidos.

Alam e colegas recrutaram 27 mulheres na meia-idade - com 40 a 65 anos - que participaram de duas aulas, de 90 minutos cada uma, com um instrutor de exercícios faciais. Em casa, as voluntárias deram continuidade à prática dos exercícios durante 20 semanas. Nas primeiras oito semanas, elas fizeram as atividades faciais diárias durante 30 minutos e, no período restante, realizaram as mesmas práticas a cada dois dias.

Leia as últimas notícias em Ciência e Saúde

O roteiro incluía 32 exercícios faciais, cada um com duração de cerca de um minuto. Os movimentos eram simples, como abrir a boca e posicionar o lábio superior sobre os dentes e sorrir sem mostrar os dentes, entre outros. Do grupo inicial, 16 mulheres fizeram todos os exercícios até o fim do estudo. Para verificar o efeito, os pesquisadores compararam fotografias tiradas antes do experimento, fotos feitas na oitava semana da pesquisa e registros feitos após a maratona de exercícios.

As imagens foram avaliadas por dois dermatologistas que não sabiam dos testes. Os especialistas usaram uma escala padronizada de envelhecimento facial e examinaram separadamente 19 características do rosto. Descobriram que a bochecha das voluntárias sofreu melhoras significativas. Os pesquisadores acreditam que os exercícios ajudaram a fortalecer os músculos do rosto. "À medida que os músculos crescem, o rosto fica mais cheio. Com o envelhecimento, a pele facial se torna menos elástica e afunila", diz Alam.

O autor do estudo explica que, debaixo da pele, existem camadas de bolsos gordurosos, chamadas almofadas de gordura, que se conectam como um quebra-cabeça e dão forma ao rosto. Com a idade, porém, elas se tornam magras e "caem". "Sob as camadas de gordura estão os músculos. Os exercícios faciais parecem ampliar os músculos, corrigindo, assim, a perda de volume causada por desgaste de gordura e queda da pele. O resultado é um rosto mais completo e firme, que parece mais novo."

Os pesquisadores também avaliaram a média da idade aparente das voluntárias ao longo do estudo. "Começou em 50,8 anos e caiu para 49,6 anos na oitava semana. Depois, para 48,1 anos. Isso é quase uma diminuição de três anos na aparência da idade durante um período de 20 semanas", ressalta Alam. As participantes relataram estar altamente satisfeitas com os resultados e notaram melhorias em quase todas as áreas faciais.

Mais testes

Bárbara Uzel, especialista em dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e médica do Hospital Anchieta, em Brasília, avalia que a pesquisa é interessante, por trazer uma abordagem científica à prática, mas ressalta que os exercícios faciais também podem causar efeitos não desejados. "Essa pesquisa mostra que a técnica beneficiou principalmente os músculos da parte média, que seriam as bochechas, que é onde a musculatura é mais espessa, mais grossa. O problema é que, dependendo dos exercícios feitos, eles podem prejudicar a parte superior da face, que é onde estão as rugas, os pés de galinha", diz.

Saiba mais
Remédio contra câncer de mama é considerado terapia inovadora
Nova substância promete avanços no tratamento contra o linfoma de Hodgkin
Nova substância promete avanços no tratamento contra o linfoma de Hodgkin
Entram em vigor novas coberturas mínimas de planos de saúde
Para a dermatologista, a pesquisa merece um aprofundamento. "Uma análise maior é necessária, já que o número de participantes foi pequeno e grande parte não terminou o experimento. Seria interessante ver faixas etárias distintas e analisar um grupo controle, que não faria os exercícios, para poder realizar mais comparações", sugere. "Temos muitas pessoas que atualmente buscam tratamentos mais naturais, sem o uso de químicas. Essa técnica poderia se tornar uma opção para essa parcela."

A equipe reconhece a necessidade de estudos mais aprofundados, mas, segundo Alam, é possível que os exercícios faciais beneficiem pessoas de diferentes idades. "Testamos o método em mulheres de 40 a 65 anos, mas isso, provavelmente, funcionará também em mulheres mais novas ou mais velhas, bem como em homens. É possível que alguns tipos de pacientes possam se beneficiar mais ou menos desse método, mas precisamos de mais pesquisas para descobrir."

Independentemente do praticante, diz Uzel, é recomendado buscar a ajuda de um especialista para a realização desses exercícios. "As pessoas não podem fazer isso em casa, sem ter uma orientação. É necessário descobrir mais sobre esses efeitos. Ainda assim, é possível, quem sabe, o uso dessa técnica como uma ferramenta auxiliar, usada com outros tratamentos dermatológicos", frisa.

"Os exercícios faciais parecem ampliar os músculos, corrigindo, assim, a perda de volume causada por desgaste de gordura e queda da pele. O resultado é um rosto mais completo e firme, que parece mais novo"
Murad Alam, professor de dermatologia da Universidade de Northwestern



© Copyright 2003 - 2018   |   MV Araújo - Corretora de Seguros. Todos os direitos reservados.

MV Araújo
Rua Conselheiro Dantas 22/24, Sala 702 - CEP: 40015-070
Edifício Bradesco - Comércio - Salvador - Bahia
Fones: (71) 3326-7078 / (71) 3241-6755 / (71) 99928-5192 / (71) 98873-1875 / (71) 98175-6427 /
(71) 99279-2882 / (74) 98126-0204
E-mails: marcosaraujo@mvaraujo.com.br / contato@mvaraujo.com.br
Desenvolvido Por: SAOL